MERCADO EÓLICO BRASILEIRO

Após a crise do petróleo, no final do século XIX, o mercado de turbinas eólicas surgiu como uma maneira alternativa de geração de energia a fim de suprir as falhas do sistema elétrico. Sua entrada no Brasil ocorreu em 1992, tendo como pioneira a ilha de Fernando de Noronha. Com o passar dos anos a energia eólica conquistou seu espaço no país e hoje carrega consigo fortes impactos para o mercado energético.

Segundo a revista exame, o Brasil conta com 130 parques eólicos, apresentando a seguinte distribuição: 93 parques instalados no nordeste, produzindo 2.460 MW (74,1%) da capacidade total brasileira, em sequência encontra-se a região sul com 832 MW (25%) e sudeste com apenas 28 MW (0,9%).

sul nordeste sudeste

Em abril de 2014, 18 usinas entraram em operação no país, apresentando um aumento de 20,3% da capacidade instalada. Este fator fez com que a produção total do setor eólico saltasse para 3.319 MW, o que corresponde 53% a mais do montante produzido no mesmo período do ano de 2013.

Outro avanço do mercado eólico foi a redução do custo de aquisição da tal energia, se tornando a segunda mais barata do Brasil. (R$100,00/MWh), perdendo apenas para o sistema hídrico com o valor de R$91,20/MWh.

A perspectiva é de que nos próximos quatro anos seja possível alcançar uma posição entre os 10 maiores produtores de energia eólica do mundo, competindo com países como EUA, China e Alemanha.

tabela

Num panorama geral brasileiro, a energia eólica caminha em direção ao sucesso. O aumento das construções de parques eólicos fará com que o país seja cada vez mais competitivo no mercado internacional. Logo, é possível afirmar que o mercado eólico brasileiro está conquistando seu devido espaço dentro do ramo elétrico alternativo, fazendo com que a energia limpa cresça e auxilie da melhor maneira a economia e meio ambiente.

Fontes:

http://exame.abril.com.br/topicos/energia-eolica

http://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal

Vantagens da microgeração de energia

Numa análise geral sobre o consumo de energia elétrica pode-se afirmar que a sensibilidade apresentada por este mercado é relativamente alta. O desenvolvimento da população e elevação do poder aquisitivo são dois fatores que alteram diretamente a demanda por energia. A elevação dessas premissas fará com que o consumo cresça na mesma sequência, podendo ocorrer sobrecarga e ineficiência deste sistema. Deste modo, a geração alternativa de energia representaria uma medida cabível para evitar tal problema, além de gerar redução de custo ao consumidor.

Dentre os meios alternativos de microgeração de energia estão presentes: turbina eólica (utilização de força do vento para geração de energia), painéis fotovoltaicos (meio de captação via energia solar), geradores de biomassa (geração via queima de caroço de açaí, lascas de madeira e outros tipos de vegetais), biodigestores (utilização do gás propiciado pela combustão de detritos de animais para gerar energia) entre outros.

Image

ImageImage

O Brasil está caminhando em direção as inovações relacionadas a este tipo de geração de energia. Em 2012 a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aplicou a resolução nº 482/2012, a qual disponibiliza um abatimento na conta de energia elétrica para indivíduos que implantarem o sistema de geração de energia voltado à rede (sistema ongrid). Neste contexto a geração de energia que não for consumida será injetada para a rede, provocando assim um “crédito de energia”, fator que reduzirá o custo com o consumo. Segundo o site IG Economia a redução pode alcançar valores realmente atrativos, como é o caso de um empresário que reduziu a conta de energia elétrica de R$ 700,00 para R$ 200,00 reais.

No método de baterias (sistema offgrid) os benefícios estão relacionados a melhoria de distribuição de energia para áreas remotas ou com falhas no sistema de distribuição. Estes métodos gerarão certa independência do sistema elétrico, fazendo com que seja possível atender comunidades e propriedade rurais afastadas.

De modo geral, as vantagens trazidas pela microgeração de energia geram redução do carregamento da rede, evitando a sobrecarga do sistema, além de ser uma forma de expandir o sistema de distribuição e reduzir as perdas de energia. Seus efeitos podem se materializar por meio de economia financeira ou autossustentabilidade, afetando diretamente o consumidor, sociedade e governo.

Fonte:http://economia.ig.com.br/2014-01-03/brasil-tem-38-consumidores-que-geram-sua-propria-energia-eletrica.html

Turbina Eólica IN-VENTO Agrícola

A fim de atender as necessidades específicas de seus clientes a ZM Bombas lança no mercado dois modelos de turbinas eólicas, sendo estas especificadas conforme a região a ser instalada. A tecnologia utilizada para a fabricação de ambas é a mesma, apresentando, deste modo, características técnicas idênticas.

Image

O diferencial da turbina agrícola diz respeito ao anel coletor acoplado a este gerador. Tal tecnologia possibilita uma rotação 360° no próprio eixo, fazendo com que seja possível captar a direção exata do vento para uma geração mais eficiente de energia.

Image

Dentro deste modelo a empresa disponibiliza diferentes opções de acessórios, como, por exemplo, torres de 12 m de altura com cabo de aço, as quais são mais leves, ou o modelo sem o cabo de aço, também com 12 m.

ImageImage

Outro opcional do produto diz respeito ao tipo de saída de energia, o qual pode ser ligado no sistema off-grid (baterias), ou para o princípio on-grid (inversores), sendo voltado para a distribuição na rede.

Image

ImageO padrão de qualidade da ZM Bombas é disseminado em toda sua gama de produtos, fazendo com que o gerador eólico agrícola seja um exemplo deste ideal. É por meio deste item que a empresa facilita a cada dia as operações do mercado agrícola com responsabilidade e dedicação.

COPEL instala turbina IN-VENTO em Curitiba.

Durante o início do mês de maio ocorreu, em Curitiba – PR, a apresentação do projeto executado pela COPEL, nomeado “Paraná Smart Grid”. Este projeto teve como objetivo apresentar várias inovações tecnológicas na criação de energia e descentralização de seus meios de produção elétrica, apresentando, deste modo, formas distintas de geração elétrica.

Image

Um showroom foi montado a fim de mostrar à comunidade novas maneiras de geração de energia, abordando formas ecológicas de produzir eletricidade, as quais tem o objetivo beneficiar à sociedade. Dentre as inovações apresentadas, foi instalado, na central de distribuição da COPEL Curitiba, o método de microgeração de energia eólica da ZM Bombas. O produto apresentado pela empresa  foi a turbina IN-VENTO agrícola, a qual possui fabricação 100% nacional com potência de 3 kW.

O gerador instalado possui o sistema on-grid (saída conectada a rede), a qual foi fornecida juntamente com a eletrônica de potência (inversores). Durante a visita técnica, realizada pelo representante regional da ZM, foi possível notar que o gerador foi amplamente aceito e já demonstrou grande impacto na organização.

Image

Image

Entre as personalidades que participaram do evento, estavam presentes: o diretor de distribuição Vlademir Daleffe, o governador Beto Richa e o presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, os quais deram abertura ao evento.

Image

Image

Segundo Daleffe, o projeto está longe de terminar, o objetivo é aumentar a gama de equipamentos de geração de energia e distribuí-los por outras regiões da capital do estado. Outro ponto importante do programa seria alcançar “a automatização da rede elétrica” em nível de monitoramento, identificação e transmissão de informações.

A relevância deste programa abrange as alternativas de geração de energia disponibilizada à população de maneira inovadora no sistema elétrico. É com tal ideal que a empresa ZM Bombas busca fabricar suas turbinas, procurando atender sempre as necessidades de produção de energia de seus clientes. O objetivo é gerar custo-benefício aos diferentes tipos de consumidores, tendo em vista sempre qualidade de seus produtos. Este é apenas o início do impacto da tecnologia de suas turbinas, o intuito é alcançar grande parte da população, criando consumidores conscientes e satisfeitos.

Fonte: http://www.copel.com/hpcopel/root/nivel2.jsp?endereco=%2Fhpcopel%2Froot%2Fpagcopel2.nsf%2Fdocs%2F1515F62FE85038E203257CD20043B49D.

In-vento – Gerador de Energia Urbana

marca

A ZM lança ao mercado a primeira turbina eólica horizontal desenvolvida e fabricada totalmente no Brasil, IN-VENTO. Produto focado especificamente ao fornecimento de energia renovável e limpa em regiões urbanas.

Turbina Eólica ZM In-vento

Esta tecnologia exclusiva da ZM, fornecerá energia limpa a centro comerciais, prédios e casas de todos os portes. Soluções focadas em fornecer ótimo custo-benefício: abater contas de luz, criar sistemas de prédios sustentáveis e contribuir na certificação de prédio verdes.

Ex_instal_Invento

 

HÉLICES:

Winglets: A mesma tecnologia encontrada em aviões de grande porte, ajuda na redução de ruído e ainda aumenta a eficiência das pás.

Perfis exclusivos (pá): Os perfis foram especificamente projetados para ventos turbulentos (predominantes em regiões urbanas), aumentando a captação de energia.

Scalar_Scene_1_image_06175

GERADOR:

Gerador exclusivo: O gerador de imã permanente com carcaça de alumino foi projetado especificamente para nossa turbina, aumentando a eficiência do sistema e diminuindo o peso do produto.

SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA:

Sistemas eletrônicos exclusivos: Os sistemas eletrônicos de geração de energia foram projetados especificamente para acompanhar o desempenho da turbina, aumentando a eficiência de energia.

INSTALAÇÃO:

Instalação: A instalação não requer de nenhum tipo de equipamento especializado, e pode ser feito manualmente. Pode ser instalado diretamente na rede elétrica da companhia de luz e também, em banco de baterias. O gerador também pode ser instalado em sequência, gerando mais energia e economia.